Festival

ACTIVIDADES PARALELAS

PALMARÉS



JÚRI DA COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

CARLO CHATRIAN (IT)CARLO CHATRIAN
VICE-DIRECTOR DO ALBA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL
Faz crítica de cinema em revistas como a Panoramiques, Duellanti, Cineforum e Filmcritica. É colaborador daEnciclopedia Treccani” para a área de cinema. É autor de monografias de realizadores como Wong Kar Wai, Johan Van Der Keuken, Frederick Wiseman ou Nicolas Philibert. É programador do Festival de Cinema de Locarno e do Courmayer Noir in Festival. É vice-director e responsável de programação do Alba International Film Festival – Infinity.

ERIC CAZDYN (CAN)ERIC CAZDYN
PROFESSOR
Professor de Estudos Asi áticos, Literatura e Estudos de Cinema, actualmente na Universidade de Toronto. As suas áreas de pesquisa incidem especialmente em literatura e teoria de cinema, no cinema japonês e na literatura japonesa moderna, na globalização, Marxismo e historiografia cultural. Tem publicado diversos artigos sobre a relação entre cinema, filosofia e economia política em revistas como a South Atlantic Quarterly, Social Text, Japan Forum e Review of Education/Pedagogy/Cultural Studies. Em 2002 publicou o livro “The Flash of Capital: Film and Geopolitics in Japan”.

JEAN-PIERRE REHM JEAN-PIERRE REHM
DIRECTOR DO
INTERNATIONAL DOCUMENTARY FILM FESTIVAL OF MARSSEILLE
- FIDMARSEILLE
Licenciado pela École Normale Supérieure e estudante de literatura moderna e filosofia, atravessou sempre fronteiras ao longo da sua carreira. As primeiras foram de natureza institucional, quando transitou do ensino (história e teoria de arte e do cinema) para o Ministério da Cultura francês e daí para curador de exposições e programador (Cairo Museum of Modern Art, Yokohama Art Center no Japão, Witte de With em Roterdão). Também atravessou fronteiras artísticas, circulando entre os mundos das belas artes e do cinema. Para além disso, escreve regularmente em diversos meios de comunicação: catálogos de exposições, monografias de artistas e realizadores, revistas de arte e de cinema. É responsável do International Documentary Film Festival of Marseilles, FIDMarseille desde 2002.

JOÃO BOTELHO (PT)JOÃO BOTELHO
REALIZADOR
(Lamego, Portugal, 1949)
Nome reconhecido do cinema português desde os anos 80, o terreno da sua obra é maioritariamente o da ficção e conta até ao momento 11 longas-metragens, entre “Conversa Acabada” (1980) e “O Fatalista” (2005), destacando-se, entre os títulos documentais, a curta-metragem “Se a Memória Existe” (2001) e “A Luz da Ria Formosa” (apresentado na edição doclisboa 2005). Faz crítica de cinema em vários jornais e revistas e funda a M - Revista de Cinema em 1976. Mantém uma actividade como artista gráfico e ilustrador de livros, publicações, catálogos e cartazes. Os seus filmes são normalmente apresentados em festivais internacionais, designadamente em Cannes (“Conversa Acabada”, “Três Palmeiras”, “A Mulher Que Acreditava Ser Presidente dos Estados Unidos da América”) e em Veneza (“Tempos Difíceis”, “Aqui na Terra”, “Tráfico”, “Quem És Tu?”, “O Fatalista”, são exibidos em competição). “Conversa Acabada” vence os prémios de Melhor Realização no Festival de Cinema da Figueira da Foz e o Grande Prémio do Festival de Antuérpia. Estreado no Festival de Londres, “Um Adeus Português” conquista o Tucano d’Ouro para melhor realizador no Festival do Rio de Janeiro e o OCIC no Festival de Berlim. A crítica italiana distingue “Tempos Difíceis” como melhor filme. Em 1996 é homenageado em Itália com uma retrospectiva no Bergamo Film Meeting, a que se segue uma iniciativa idêntica em La Rochelle em 1999. Em 2005 é condecorado Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

PIRJO HONKASAL0 (FL)PIRJO HONKASAL0
REALIZADORA
(Helsinquia, Finlândia, 1947)
Entra na escola de cinema aos 17 anos e completa a tese de fim de curso aos 21. Realiza a primeira longa-metragem no mesmo ano. Continua a estudar e a trabalhar como assistente na Temple University em Philadelphia. O primeiro filme decisivo como realizadora, o drama histórico “Tulipää” (“Flame Top”), é escolhido para a selecção oficial do Festival de Cannes em 1980. Como documentarista, é sobretudo conhecida pela sua trilogia “The Trilogy of the Sacred and Satanic”, cuja última parte, “Atman”, vence o prémio Joris Ivens em Amesterdão em 1996. “The Three Rooms of Melancholia” (2004) é exibido em Lisboa no Doclisboa 2005. A sua última ficção, “Tulennielijä” (“The Fire-Eater”), vence o AFI (American Film Institute) Grande Prémio do Festival em Los Angeles em 1998. O seu trabalho tem sido mostrado em retrospectives em Rouen (França, 1996), Kuopio (Finlândia, 1998), Visby (Suécia, 2000), IDFA (Holanda, 2002), Docpoint (Helsinquia, Finlândia, 2004), Gijon Film Festival (Espanha, 2005), European Documentary Film Festival (Oslo, Norouega, 2006), Ankara Film Festival (Turquia, 2006), Tallinn (Estónia, 2006).

 

JÚRI DA COMPETIÇÃO NACIONAL E PRIMEIRAS OBRAS


ANTONIO DELGADO LIZ (ES)ANTONIO DELGADO LIZ
DIRECTOR DO DOCUMENTA MADRID
(Ciudad Real, Espanha, 1962)
Licenciado em Ciências da Informação (Imagen e Som) e em Realização. Como pós-graduações tem um mestrado em Produção Audiovisual e diversos cursos de argumento e realização. No sector audiovisual, o seu percurso profissional inclui trabalhos nas áreas da realização e da produção em filmes de curta e longa-metragem. Também trabalhou em televisão, a nível local (Canal 28) e nacional (Antena 3 e Tele 5). Em 1994-95 fez investigação, catalogação e conservação de fundos para o Museo del Cine de la Filmoteca Española. De 1997 a 2003 foi Assessor de Cinema e Responsável pela Oficina de Promoción del Cine y el Audiovisual da Consejería de Las Artes de la Comunidad de Madrid, onde organizou actividades directamente relacionadas com o cinema. Formou parte da equipa do Alcine, Festival de Cine de Alcalá de Henares-Comunidad de Madrid. Até 2003 foi promotor e coordenador de todas as edições da Muestra de cortometrajes de la Comunidad de Madrid, do Circuito de Cine en Verano e do Festival Internacional de Imagen Animada (Animadrid). Foi também vocal do Conselho Superior do Audiovisual da Comunidad de Madrid, integrou diversos Júris de cinema e realizou a curta-metragem “Al Pasar la Barca”. Actualmente é Assessor de Cinema na área de Gestão de Artes e responsável da Oficina de Promoción y Difusión del Cine Español del Ayuntamiento de Madrid, membro da Madrid Film Commission, membro do Comité Organizador de Cinema de Madrid (Spanish Film Screenings), e Director do Festival Internacional de Documentários de Madrid, Documenta Madrid.

SIRKKA MöLLER (Al)SIRKKA MÖLLER
PROGRAMADORA
(Colónia, Alemanha, 1970)
Estuda Antropologia e Línguas na Universidade de Colónia em 1990-1996. Trabalha em festivais internacionais desde 1988, especializando-se em documentários e curtas-metragens (Days of The Independent Film, Augsburg; Nordisk Panorama, Scandinavia; International Leipzig Festival for Documentary and Animated Film). Tem sido programadora do Sheffield International Documentary Festival (2001-2006). Tem trabalhado com a unidade de produção de curtas-metragens Escocesa Cineworks e participa regularmente em seminários internacionais e festivais de cinema documental como interveniente e moderadora de debates. Trabalha actualmente como comissária freelancer.
Para além do seu trabalho em festivais de cinema, tem trabalhado em legendagens, traduções, promoção e distribuição, tomando contacto com os diferentes aspectos da indústria cinematográfica. A música é a sua segunda paixão, o que a leva, de vez em quando, a partilhar a sua colecção de discos com públicos enquanto membro do DJ team Nordic Combined. Especialista em música Finlandesa, o seu gosto vai do Tango ao Techno.

IVO M. FERREIRA (PT)IVO M. FERREIRA
REALIZADOR
(Lisboa, Portugal, 1975)
Tem pequenas participações como actor em teatro, cinema e televisão desde os cinco anos. Ingressa aos 14 no Curso de Imagem e Comunicação Áudio Visual das Escola de Artes António Arroio, e mais tarde matricula-se na L.I.F.S., em Londres, e na Universidade de Budapeste, escolas que frequenta de passagem, interrompida por uma viagem que o afasta do seu país por quase quatro anos. É neste período que realiza e produz, em Macau, o seu primeiro filme: “O Homem da Bicicleta” (Prémio do Público dos VII Encontros Internacionais de Cinema Documental da Malaposta), co-realizado com António Pedro. Desenvolve uma actividade como realizador desde 1997, contando na sua filmografia filmes como a curta-metragem “O Que Foi?” (Prémio Jovem Cineasta no Festival de Curtas-Metragens de Vila do Conde em 1998), “Em Volta”, a primeira longa, rodada na Ásia. O interesse pelos PALOPS-Países de Língua de Expressão Portuguesa leva-o, em 2003, a realizar os documentários “À Procura de Sabino – e de outros contadores de histórias de São Tomé”, “Contadores do Príncipe”, ambos sobre a tradição oral, e “Angola em Cena” documento sobre uma acção desenvolvida por um grupo de teatro em Luanda. “Salto em Barreira” é a sua última curta-metragem. Reivindicando uma atitude de teimosia, afirma ter vários projectos em concepção no contexto de um trabalho que vive da simplicidade, do empenho e da liberdade.

 

JÚRI INVESTIGAÇÕES


LEENA PASANEN (DIN)LEENA PASANEN
DIRECTORA DO EDN, EUROPEAN DOCUMENTARY NETWORK
(Dinamarca, 1965)
Estuda lingua e literatura Finlandesa na Universidade de Olulu. Começa a carreira como jornalista em 1988, na Agência de Notícias Finlandesa, primeiro como repórter e depois como comentadora política no Parlamento. Em 1993 ingressa na YLE, Finnish Broadcasting Company, onde trabalha como repórter, comentadora política, sub-editora e apresentadora. É responsável para a área de documentário da YLE TV1 entre 1999-2000. Quando a YLE abriu novos canais digitais é escolhida como directora de programas responsável pelas áreas culturais na YLE Teema, canal vocacionado para a cultura, ciência e educação. É também vice-directora do canal desde 2004. Em Novembro de 2005 começa a desempenhar funções como directora do EDN, European Documentary Network. Tem sido especialista, professora e conferencista em vários programas de formação, como o EDN, Discovery Campus, EURODOC e Television Business School. É licenciada pelo EURODOC (1999) e tem sido membro directivo do IDFA Fórum, INPUT e do prémio Finlandês de jornalismo Bonnier.

PAULA MOURA PINHEIRO (PT)PAULA MOURA PINHEIRO
JORNALISTA
(Lisboa, Portugal, 1965)
Licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa
e pós-graduada em Direito Comunitário pelo Instituto Europeu da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Na imprensa, trabalhou como repórter, entrevistadora e cronista; na televisão e na rádio, como autora, editora e apresentadora de programas. Responsável pelo "Guia de Leitura 2003" do Instituto Português do Livro e das Bibliotecas; membro das Há4, grupo que promove com a Fundação Calouste Gulbenkian "Clássicos" - celebrações anuais sobre textos matriciais da literatura universal -, programou a animação cultural da Feira do Livro de Lisboa em 2004 e em 2005. Em 2006 é responsável pela publicação de "Portugal no Futuro da Europa", um livro de divulgação e análise do Tratado Constitucional Europeu. É editora e entrevistadora de "Unidos na Diversidade", programa sobre questões europeias na Rádio Europa Lisboa, e editora e pivot de "Câmara Clara", o "talk show" cultural da Dois (RTP-Radiotelevisão Portuguesa). É desde Fevereiro de 2006, sub-directora da 2:.

REBECCA ABECASSIS (PT)REBECCA ABECASSIS
JORNALISTA
(Portugal, 1971)
Licenciada em Ciências Políticas e Sociais na École des Hautes Études Politiques et Sociales, tem uma pós graduação em Jornalismo da Sorbonne Nouvelle (Paris) e um Master of Arts em Jornalismo Internacional concluído em 1997 na City University (Londres). Faz estágios profissionais em redacções da imprensa escrita e televisiva em Paris, Lisboa e Londres onde, em 1997, é jornalista freelancer na redacção de informação da CNN. Em Lisboa, entre 1998 e 2001, é colaboradora permanente da secção internacional do semanário “O Independente”. Começa a trabalhar em televisão nessa altura como membro das equipas de produção dos programas da RTP “Maria Elisa” e “Grande Entrevista”. Em 1999 muda para a RTP Internacional e, no ano seguinte, para a SIC Notícias onde é responsável pelos programas “Jornal do Mundo” e “Internacional SIC”. É também editora de Internacional desde 2003  e coordenadora de programas de actualidade internacional desde 2004.

 

JÚRI POBREZA ZERO


EDUARDO HOMEM (PT)EDUARDO HOMEM (BR)
JORNALISTA
Jornalista profissional desde 1970. A Economia é a sua formação de base e começa como repórter, correspondente e editor da imprensa escrita e televisiva brasileira e é correspondente em Paris de O Globo entre 1974-75. Entre 1984-1994 é fundador, repórter, editor e coordenador da estação comunitária do Nordeste Brasileiro TV VIVA, a que volta em 1998. Nos anos como repórter e editor da TV VIVA coordena e realiza dezenas de vídeos, entre os quais, “Expressões da Agro-Ecologia”, “Reciclar, Reaproveitar, Reviver”, “Missão Catrimani Ianomani” (2004) e a revista electrónica Rede Patativa (2006). Em 2004 realiza o programa televisivo “Sopa Diária”, produzido pela TV VIVA e transmitido ao vivo pela TV Universitária. Em 1977, em co-autoria com Sónia Corrêa, publica “Moçambique, Primeiras Machambas”. Produz a curta-metragem infantil “Sassarico” (1978) e “Aquele Pequeno Exército Louco”, filmado na Nicarágua em 1979.
Dirige o Centro de Cultura Luiz Freire (1994-1998), a ABONG-Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (1996-2003)

SÍLVIA ALBERTO (PT)SÍLVIA ALBERTO (PT)
APRESENTADORA/ACTRIZ
Começa a fazer televisão na RTP em 2000 no “Clube Disney”, primeiro de vários programas de entretenimento de que tem sido apresentadora na RTP e na SIC, entre os quais “Clube da Europa”, “Flash”, “Êxtase”, “Mousse Caseira”, “Campeões Nacionais”, “Ídolos” ou “Dança Comigo”. Na rádio, é locutora do “Programa da Manhã”, na Mix FM (2001/2002). Tem frequentado workshops de voz e interpretação e frequenta o Curso Superior de Teatro e Cinema (Teatro, Dramaturgia). É actriz de “Zona J” (Leonel Vieira, 1998) e tem participações especiais no telefilme da SIC “Amo-te Teresa” (1999) e na curta-metragem “Ricochete” (Sérgio Graciano, 2005).

VÍTOR SIMÕES (PT)VÍTOR SIMÕES (PT)
JORNALISTA
(Coimbra, Portugal, 1971)
Licencia-se em Comunicação Social (Jornalismo) na Universidade Nova de Lisboa em 1993, estagiando em seguida no jornal “Público”. É jornalista do semanário “Tal e Qual” entre 1994 e 1997. A partir dessa data tem publicado como jornalista freelancer na imprensa escrita em Portugal e em Espanha. Em televisão é argumentista da produtora D&D em 1997 e em 2003-2004, investigador e produtor executivo do programa diário “Olá Portugal” (TVI). É presidente da cooperativa Planeta Sul (Latitude0 – Comércio Justo) desde Maio de 2001. Representa Portugal na News – Network of European World Shops (Fair Trade) em 2003-2004. Desde 2003 é comentador do portal Pontes (WTO Cancún Summit, OIKOS, ICTSD, FGV) e publica no Fórum DC magazine. Está ligado ao departamento de advocacia da Oikos – Cooperação e Desenvolvimento (Portugal) desde Outubro de 2005.

 

JÚRI UNIVERSIDADES


O Júri Universidades é composto por cinco estudantes de cinema de cinco Universidades e escolas de Lisboa: Mariana Liz (Faculdade de Ciencias Sociais e Humanas: Universidade Nova de Lisboa), Guilherme Marques (IADE), Nuno Soler (Universidade Lusófona) Maria Remédio (Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes Lisboa) e David de La Rua (Etic)

 

JÚRI ESCOLAS



O Júri Escolas é composto por cinco alunos da escola secundária Dona Filipa de Lencastre, em Lisboa, Clara Patrício (11ºano), Jorge Santos (11º ano), Rita Mamede (11º), Marta Bento (11º ano) e Denise Oliveira (11º).

 

Organização: Apordoc
Rua dos Bacalhoeiros, 125, 4º. 1100-068 Lisboa. Portugal . Tel. & Fax: + 351 21 887 16 39
Email: doclisboa@doclisboa.org