OUTUBRO           NOVEMBRO
   
                     

  Legenda:
[CI] = Competição Internacional | [P] = Para onde vai o documentário português?
[E] = Foco sobre Espanha
| [MO] = Como entender o Médio Oriente? | [SE] = Sessões Especiais

  DIA  DOMINGO              
                     
 

18H00 > Grande Auditório
the revolution will not be televised [SE] (sessão de abertura)
74’. Irlanda. 2003, real. Kim Bartley e Donnacha O Briain
Uma equipa de televisão vive as dramáticas 48 horas do golpe de estado contra Hugo Chavez, em Abril de 2002. O carismático presidente venezuelano e a sua ligação às massas populares, que forçaram a sua continuação no poder, são o centro de um filme que é um extraordinário documento histórico. Vibrante e mundialmente premiado.

21H00 > Grande Auditório
detail [CI]
8’.Israel. 2004, real. Avi Mograbi
Um tanque blindado israelita, uma nuvem de pó, uma mulher palestiniana sangrando, um megafone, uma ambulância, uma mulher com duas crianças, uma segunda ambulância, uma menina chora, um homem de cabelos brancos, uma rajada de vento, um repórter. Um detalhe de uma fotografia muito maior.

checkpoint [CI]
80’.Israel.2003, real.Yoav Shamir
Mais de três milhões de palestinianos vivem sob a ocupação militar de Israel desde 1967. Quando vão de uma aldeia até outra para trabalhar, para visitar familiares, ou para ver um médico, têm de atravessar os postos de controlo e identificar-se perante os soldados israelitas.

23H00 > Grande Auditório
el pequeño pianista [CI]
6’. Espanha. 2004, real Silvia Turchin
Um sapo toca piano! A vida e alma de uma marioneta através da voz do seu “mestre”, o marionetista Daniel Loeza. O que há de tão mágico nesta marioneta para comover de tal forma o público?

ydessa, les ours et etc... [CI]
44’. França 2004, real. Agnès Varda
Varda interessa-se por uma personagem singular : uma coleccionadora, negociante e comissária de uma insólita exposição composta por milhares de fotografias amadoras dos séculos XIX e XX, nas quais surge sempre um urso de peluche. O mercado da arte cruza-se com objectos íntimos, recordações pessoais e a memória do Holocausto.

                   
                     
                   
  DIA  2ª FEIRA              
                     
 

11H00 > Pequeno Auditório
domestic violence 2 [SE]
160’. EUA. 2002, real. Frederick Wiseman.
Wiseman tinha centrado a 1ª parte de Domestic Violence num centro de apoio a vítimas de violência doméstica. Nesta continuação, mergulha nos tribunais onde são julgados estes processos. O resultado é intenso.

14H30 > Pequeno Auditório
José Manuel, la mula y el televisor [CI]
14’. Cuba. 2003, real. Elsa Cornevin
De regresso a casa após um dia de trabalho, José Manuel, um camponês da Sierra Maestra (Cuba), assiste a um programa de televisão. Um corte de luz interrompe subitamente a emissão. José Manuel pega então na mula e na caixa do televisor para continuar o programa.

grandad’s waking dream [CI]
46’. Finlândia 2003, real. Anu Kuivalainen
Anu tem 89 anos. Foi médico na frente russa durante a II Guerra Mundial. Presenciou não apenas o sofrimento e a morte, mas também crimes e assassínios gratuitos. As imagens desses momentos ainda hoje o perseguem.

16H30 > Pequeno Auditório
le mur [CI]
95’. França / Israel. 2004, real. Simone Bitton
A realizadora, judia e árabe, acompanha a construção do faraónico muro que está a ser construído à volta de Israel. A destruição de uma paisagem com enorme significado histórico serve para isolar um povo e prender o outro.

18H30 > Pequeno Auditório
entre duas terras [P]
94’. Suiça/Portugal.2003. real, Muriel Jaquerod e Eduardo Saraiva Pereira
O que sente uma população envelhecida que vê a sua aldeia desaparecer, submersa pelas águas de uma barragem? Como tenta defender a sua identidade no diálogo com os responsáveis da construção da aldeia nova? A história da Aldeia da Luz é aqui contada sob um prisma humano.

21H00 > Grande Auditório
la maison des Saoud [CI]
103’. França. 2004, real. Jihan El Tahri
A impressionante transformação da Arábia Saudita ao longo do século XX e a sua complexa relação com os Estados Unidos. Um trabalho exemplar de investigação que ajuda a esclarecer algumas das principais questões geopolíticas do mundo contemporâneo: o petróleo, a política imperial norte-americana, o renascimento político do Islão e o conflito israelo-árabe.

23H00 > Grande Auditório
olhar por dentro [CI]
28’. Portugal. 2003, real. Christine Reeh
Débora tem seis anos e é cega desde o nascimento. Mora no Alentejo e não tem acesso a uma educação específica para invisuais. Vive no seu mundo e passa os dias ouvindo música ou inventando histórias fantásticas.

in the dark [CI]
40’. Russia / Finlândia. 2004, real. Sergey Dvortsevoy
Um homem cego já velho vive com um gato branco num apartamento. O homem faz sacos de fio entrançado. O gato diverte-se a puxar os fios e a trocar tudo de sítio, numa diária batalha campal.

                   
                     
                   
  DIA  3ª FEIRA              
                     
 

11H00 > Pequeno Auditório
Ma’loul fête sa destruction [MO]
PA 33’. Bélgica. 1985, real.Michel Khleifi
Os antigos habitantes de Ma’loul, aldeia palestiniana destruída pelo exército de Israel em 1948, podem visitá-la uma vez por ano, no dia nacional de Israel. Nesse dia organizam um piquenique no local da aldeia destruída.

cantiques des pierres [MO]
100’. Bélgica. 1990, real. Michel Khleifi
O amor impossível entre dois palestinianos que se apaixonam na década de 60, mas a quem a guerra e os conflitos políticos mantêm afastados por mais de 18 anos.

14H30 > Pequeno Auditório
Wadi ten years later [MO]
97’. França. 1991, real. Amos Gitai
Sentimentos contraditórios e tensões de um casal israelo-palestiniano de Wadi. As primeiras imagens do casal, em 1981, são um exemplo de resistência íntima ao conflito... Dez anos depois, o retrato é totalmente diferente.

16H30 > Pequeno Auditório
me myself and the universe [CI]
14’. Alemanha. 2003, real. Hajo Schomerus
Qual a importância cósmica da disposição simétrica dos cintos nas cadeiras dos aviões antes dos passageiros se sentarem? Uma divertida exploração do conflito entre a ordem e o caos a partir das banais preocupações profissionais de quatro personagens.

Sylvia Kristel - Paris [CI]
40’. Bélgica. 2003, Manon de Boer
Em dois monólogos, a actriz celebrizada pela série de filmes "Emmanuelle", revisita os principais passos da sua carreira cinematográfica e as consequências na sua vida pessoal. (Auto-)retrato austero e melancólico de uma ex-star e sexsymbol.

18H30 > Grande Auditório
estrela da tarde [P]
24’. Portugal. 2004, real. Madalena Miranda
Sonhos, fantasias e contradições de uma dona de casa cheia de personalidade, que vive nos arredores de Lisboa. Um documentário que nos ensina a conciliar o amor por Che Guevara com as mais simples tarefas domésticas...

a praça [P]
52’. Portugal. 2004, real. Luís Alves de Matos
Ao longo de três anos, Luís Alves de Matos filma a interminável reconstrução de
uma praça no bairro de Chelas. A câmara revela com ironia a ineficiência dos poderes
públicos e o espírito ora rezingão, ora resignado dos moradores do bairro.

21H00 > Grande Auditório
no jardim do mundo [CI]
65’. Portugal/França. 2004, real. Maya Rosa
Homens e mulheres, trabalhadores agrícolas, contam a história do seu Alentejo natal. Relembram tempos de miséria, em que sol e poesia eram as suas únicas pertenças. E também falam de hoje..

23H00 > Grande Auditório
les escadrons de la mort, l’école française [CI]
60’. França. 2003, real. Marie-Monique Robin
Após a guerra da Argélia, foram quadros do exército francês que ensinaram sistematicamente os militares da Argentina, do Chile, do Brasil e dos EUA a combater populações civis com desaparecimentos, tortura e assassínio. Neste importantíssimo filme de investigação, alguns depoimentos de militares são verdadeiras apologias da tortura.

                   
                     
                   
  DIA  4ª FEIRA              
                     
 

11H00 > Pequeno Auditório
balseros [E]
120’. Espanha 2002, real. Carles Bosch e Josep Mª Domènech
Milhares de cubanos arriscaram a vida em improvisadas embarcações para chegar à costa dos Estados Unidos. "Balseros" mostra quais eram as motivações iniciais de um largo grupo de personagens e como se transformaram ao longo de cinco anos de vida norte americana. Nomeado para o Oscar de Melhor Documentário em 2003.

14H30 > Pequeno Auditório
10e chambre, instants d’audiences [CI]
105’. França. 2004, real. Raymond Depardon
A actividade diária de uma sala de julgamentos em Paris: doze casos, doze histórias de mulheres e de homens que um dia têm de responder em tribunal. Regresso de Depardon ao universo judicial depois do extraordinário “Délits Flagrants”.

16H30 > Pequeno Auditório
the city beautiful [CI]
78’. India. 2003, real. Rahul Roy
Sunder Nagri (Beautiful City) é um pequeno subúrbio de Delhi. A maioria das famílias trabalham em pequenas manufacturas. Nos últimos dez anos assistiu-se a uma degradação progressiva das tradições de manufactura local. As famílias têm de descobrir soluções para ganhar, dia a dia, a sua sobrevivência.

18H30 > Pequeno Auditório
a guerra do Iraque [P]
26’. Portugal. 2004, real. Leonor Areal
Uma turma de crianças da escola primária faz um filme de animação sobre a guerra no Iraque. Os protagonistas são os mesmos dos telejornais: George W. Bush, Tony Blair, Saddam e Bin Laden... Mas a história é bem mais imaginativa.

marrabentando - as histórias que a minha guitarra canta [P]
52’. Portugal. 2003, real. Karen Boswall
Retrato de músicos moçambicanos, estrelas da Marrabenta, um estilo musical popular que remonta aos anos 50. Através dos relatos pessoais é a história de todo um país, a evolução dos costumes e os efeitos da guerra, que surgem em pano de fundo.

21H00 > Grande Auditório
how I learned to overcome my fear and love Arik Sharon [MO]
61’. Israel. 1997, real. Avi Mograbi
Avi Mograbi, que recusou servir na guerra contra o Líbano por razões políticas (Ariel Sharon era então ministro da defesa), faz agora um filme sobre a campanha eleitoral de Sharon... e mostra de forma hilariante como se deixou conquistar pelo candidato de extrema-direita!

23H00 > Grande Auditório
the wheel [CI]
23’. Bielorussia. 2003, real. Victor Asliuk
Numa aldeia da Bielorússia só vivem velhos e um jovem casal com um bebé. A carrinha que abastece a aldeia passa uma vez por semana.

landscape [CI]
60’. Alemanha/Russia. 2003, real. Serguej Loznitsa
Um filme em que a poesia parte da câmara. Uma paragem de autocarro de uma pequena cidade russa no Inverno. As pessoas esperam e conversam…

                   
                     
                   
  DIA  5ª FEIRA              
                     
 

11H00 > Pequeno Auditório
de niños [E]
188’. Espanha. 2003, real. Joaquín Jordá
Partindo de um caso que agitou a opinião pública espanhola, este filme é simultaneamente um estudo sobre a pedofilia, uma investigação sobre os interesses especulativos por trás da reconversão de um bairro pobre de Barcelona, uma análise da cobertura jornalística de um tema "escandaloso" (a pedofilia) e uma descrição do sistema judicial espanhol.

14H30 > Pequeno Auditório
le plat de sardines
ou la première fois que j’ai entendu parler d’Israel
[MO]
17’. França. 1998, real. Omar Amiralay
“A primeira vez que ouvi falar de Israel foi a propósito de um prato de sardinhas. Era verão em Beirute. Eu tinha seis anos e o Estado de Israel tinha dois.”

il y a tant de choses à raconter [MO]
49’. França. 1997, real. Omar Amiralay
O testemunho do escritor sírio Saadallah Wannous que, antes de morrer, faz com o seu amigo Omar Amiralay o balanço de toda uma geração marcada pelo conflito israelo-árabe.

16H30 > Pequeno Auditório
la espalda del mundo [E]
89’. Espanha. 2000, real. Javier Corcuera
A discriminação, a intolerância e a exclusão social em três histórias com personagens diversas: um exilado curdo na Suécia que tenta obter a libertação da mulher, prisioneira política; um grupo de crianças a trabalhar numa pedreira no Peru; e os que aguardam pela sua vez no corredor da morte de uma prisão do Texas.

18H30 > Pequeno Auditório
malmequer, bem-me-quer ou o diário de uma encomenda [P]
51’. Portugal/França. 2004, real. Catarina Mourão
Catarina Mourão aceitou um convite da ARTE para realizar um documentário sobre os jovens lisboetas de hoje. Mas a relação com o canal de televisão não foi fácil. Nesta segunda versão do filme, em forma de diário de rodagem, descobrimos as dúvidas e dificuldades de um processo de criação face às expectativas e regras da encomenda.

21H00 > Grande Auditório
santa liberdade [CI]
87’. Espanha. 2004, real. Margarita Ledo Andión
Em 1961, o paquete Santa Maria é ocupado por um comando armado ibérico que pretende denunciar as ditaduras de Franco e Salazar. O navio passa a chamar-se Santa Liberdade e converte-se em cenário da história. Três membros do comando reencontram-se pela primeira vez neste filme.

23H00 > Grande Auditório
untertage [CI]
24’. Alemanha. 2003, real. Jiska Rickels
Um documentário impressionista que nos leva até um mundo onde as cores desaparecem, os sons ficam distorcidos e as máquinas produzem música. Viagem a uma enorme mina de carvão que é ao mesmo tempo o céu e inferno.

la peau trouée [CI]
56’. França . 2003, real. Julien Samani
Cinco pescadores de tubarões deixam regularmente as suas famílias e descobrem no mar da Irlanda uma outra dimensão da sua própria animalidade. A bordo do navio, a vida e a morte têm outro significado.

                   
                     
                   
  DIA  6ª FEIRA              
                     
 

11H00 > Grande Auditório
master class com Nicolas Philibert [SE]
Nicolas Philibert, autor do documentário “Être et Avoir”, apresenta e explica o seu modo de filmar, de ver o mundo e o cinema utilizando excertos de alguns dos seus filmes.

14H30 > Grande Auditório
la voix de son maître [SE]
100’. França. 1978, real. Nicolas Philibert e Gérard Mordillat
Doze patrões de grandes empresas falam sobre o poder, a hierarquia, os sindicatos, as greves e a auto-gestão. Um filme tabu, durante muito tempo proibido em França. Um primeiro grande filme do realizador de "Être et Avoir".

14H30 > Pequeno Auditório
asaltar los cielos [E]
96’. Espanha. 1996, real. José Luis López-Linares e Javier Rioyo
Documentário sobre a figura de Ramon Mercadér, o assassino de Trotski. Construído como um filme de suspense, reconstitui em pormenor os últimos dias da vida do ex-líder comunista na Cidade do México e as circunstâncias precisas que rodearam a sua morte

16H30 > Pequeno Auditório
o arquitecto e a cidade velha [P]
72’. Portugal 2004, real. Catarina Alves Costa
O arquitecto Siza Vieira é coordenador do projecto de recuperação da Cidade Velha, em Cabo Verde. O filme revela os conflitos entre as propostas do arquitecto, os desejos da população e as decisões do poder político.

16H30 > Grande Auditório
a scuola [CI]
60’. Itália. 2003, real. Leonardo di Costanzo
Durante um ano, Leonardo de Costanzo filmou a vida de estudantes e professores nas salas de aula de uma escola secundária da periferia de Nápoles. Aqui, a tarefa dos professores não é apenas ensinar, mas acima de tudo educar, o que é muito mais difícil, e pouco reconhecido pela sociedade.

18H30 > Grande Auditório
buenos aires hora zero [P]
69’. Portugal.2004, real. José Barahona
O realizador parte à procura de uma personagem no Uruguai. Uma viagem em forma de road movie, que o leva até Buenos Aires, onde acaba por descobrir memórias, personagens curiosas e um país em ruptura.

18H30 > Pequeno Auditório
happy birthday, Mr. Mograbi [MO]
77’. Israel. 1999 real, Avi Mograbi
Um realizador é perseguido por produtores israelitas e palestinianos que lhe encomendam filmes, esperando dele versões opostas de uma mesma realidade. A tragédia quotidiana contada com distância e auto-ironia.

21H00 > Pequeno Auditório
le génie helvétique [CI]
85’. Suiça. 2003 .real, Jean-Stéphane Bron
O filme acompanha um ano de polémicas sobre a lei dos transgénicos nos corredores do parlamento suíço, onde a discussão é manipulada por lobbies. Este documentário, visto em sala na Suíça por 500 mil espectadores, pôs a nu a insipiência dos deputados e teve um forte impacto nas eleições seguintes.

21H00 > Grande Auditório
cinévardaphoto [SE]
96’. França. 2004, real. Agnés Varda
Três documentários de Agnès Varda onde a fotografia é o ponto de partida de uma meditação sobre o mundo: Salut les Cubains (1963), Ulysse (1982) e Ydessa, les Ours et etc (2004). O tríptico é uma reflexão sobre o poder da fotografia.

23H00 > Pequeno Auditório
dame la mano [SE]
117’. Holanda. 2003, real. Heddy Honigmann
Todas as noites de domingo, um pequeno restaurante de Nova Iorque transforma-se num pedaço de Cuba. As mesas são afastadas para dar lugar a uma pista de dança, que acolhe o imenso fervor dos exilados cubanos pela rumba.

23H00 > Grande Auditório
o prisioneiro da grade de ferro [CI]
123’. Brasil. 2003, real. Paulo Sacramento
Retrato da maior penitenciária da América Latina (Carandiru, em São Paulo), tristemente conhecida pelo massacre de 111 presos. Agora os detidos aprenderam a utilizar câmaras de vídeo e registam, contam, mostram uma realidade quotidiana e íntima, que só eles conhecem.

                   
                     
                   
  DIA  SÁBADO              
                     
 

11H00 > Pequeno Auditório
justiça [CI]
100’. Holanda. 2004, real. Maria Ramos
Maria Ramos coloca a câmara onde muitos brasileiros nunca estiveram – uma sala de julgamentos no Rio de Janeiro. As imagens mostram com clareza que a justiça está longe de ser imparcial.

14H30 > Pequeno Auditório
fruitful summer [CI]
147’. China. 2003, real. Guo Jing e Ke Dingding
Uma adolescente chinesa abandonada pelo pai e rejeitada pela mãe está à guarda do comité do bairro. Os problemas escolares e familiares parecem não afectar a rapariga, apaixonada por um colega.

14H30 > Grande Auditório
la pelota vasca, la piel contra la piedra [E]
115’. Espanha. 2003, real. Julio Medem
Partindo de quase cem entrevistas a algumas das figuras mais representativas da vida pública do País Basco, Julio Medem tenta definir os principais traços identitários do Euskadi e buscar as raízes do actual e sangrento conflito pela independência que perdura até hoje.

16H45 > Grande Auditório
je t’aime... moi non plus [P]
80’. França. 2004. real, Maria de Medeiros
Durante o festival de Cannes, Maria de Medeiros entrevista realizadores: Almodóvar, Cronenberg, Wenders, Oliveira entre muitos outros. Mas também fala com alguns dos nomes mais importantes da crítica internacional. Todos contam episódios e anedotas de uma velha relação passional entre críticos e cineastas, com cenas de amor e ódio.

18H30 > Pequeno Auditório
autografia [P]
103’. Portugal 2004, real. Miguel Gonçalves Mendes
Retrato íntimo e fascinante de Mário Cesariny, tendo como mote o seu poema Autografia. Cesariny satírico, provocador, político e surrealista.

18H30 > Grande Auditório
monos como Becky [E]
94’. Espanha 1999. real, Joaquín Jordá e Nuria Villazan
Heterodoxa biografia do neurologista Egas Moniz, que cruza o registo documental com a reconstituição ficcionada (esta interpretada por pacientes de uma instituição psiquiátrica). A investigação do médico português sobre os distúrbios mentais, que o levaria à obtenção do prémio Nobel da medicina, é pretexto para uma interrogação radical sobre as classificações e os métodos da Ciência para isolar a razão da loucura.

21H00 > Pequeno Auditório
Wadi grand canyon [MO]
90’. França. 2001, real. Amos Gitai
Amos Gitai regressa uma terceira vez a Wadi. O local está quase destruído pelas promotoras imobiliárias.

21H00 > Grande Auditório
S21–la machine de mort khmer rouge [CI]
105’. França/Cambodja.2003, real. Rithy Panh
Entre 1975-1979, o regime de terror dos Khmers Vermelhos no Cambodja foi responsável por 1,5 milhões de mortos. O filme de Pahn é um doloroso reencontro com a memória, através do regresso à mais infame das prisões e centros de interrogatório que funcionaram nesse período, o S21.

23h00 > Pequeno Auditório
bright leaves [CI]
107’. EUA. 2003, real. Ross McElwee
Viagem psicológica, social e económica pelas terras do tabaco da Carolina do Norte. Meditação autobiográfica sobre as atitudes ligadas ao tabaco e a sua pertubadora herança. Filme sobre a preservação, a adição e a recusa de uma herança. Afinal, o que se transmite de uma geração para a geração seguinte?

23h00 > Grande Auditório
le rêve arabe [MO]
30’. Palestina/França. 1998, real. Elia Suleiman
Elia Suleiman tenta compreender como é possível salvaguardar uma forma de estética e de criatividade num território minado pelo fascismo quotidiano.

en direct de Palestine [MO]
57’. França. 2001. real. Rachid Mashawari
O quotidiano na estação de rádio Voz da Palestina permite-nos sentir de forma premente as questões e os dilemas com que se deparam os media palestinianos.

                   
                     
                   
  DIA  DOMINGO              
                     
 

14H30 > Pequeno Auditório
Cravan vs Cravan [E]
100’. Espanha 2002, real. Isaki Lacuesta
Arthur Cravan, poeta dadaísta e pugilista, viveu várias vidas até desaparecer sem deixar rasto no Gollfo do México, em 1918. Misturando um registo documental com o esboço de uma ficção (na qual outro boxeur/artista toma o lugar do lendário Cravan), o filme não revela, antes prolonga, o mistério sobre uma personagem bigger than life e a sua época.

16H30> Grande Auditório
Abel Ferrara: not guilty [SE]
80’. França. 2003, real. Rafi Pitts
Tema escolhido para um “documentário sobre um realizador” - integrado da série “Cinema de Notre Temps” - , Abel Ferrara subverte o convencionalismo do género, preferindo arrastar a câmara pela noite nova-iorquina a falar da sua obra. O filme segue os seus movimentos e dissertações, ambos incessantes e imprevisíveis, ao sabor de vários encontros com amigos e colaboradores, assim como com desconhecidos.

18H30 > Pequeno Auditório
cyber Palestine [MO]
16’. Palestina. 2000, real. Elia Suleiman
Dois palestinianos da faixa de Gaza têm problemas com as autoridades israelitas... É a célebre história de José e de Maria, em tom de tragi-comédia.

newstime [MO]
59’. França/Palestina. 2001, real. Azza al-Hassan
Em Ramallah, a cineasta captura a vida pela janela: o amor entre os seus vizinhos, o dia-a-dia de 4 jovens atiradores de pedras.

18H30 > Grande Auditório
the five obstructions [SE]
88’. Dinamarca.2003, real. Lars von Trier e Jorgen Leth
Lars von Trier, grande admirador de Jorgen Leth e da sua curta metragem de culto "The Perfect Human", desafiou-o a fazer cinco "remakes" desse filme, cada um sujeito a um constrangimento diferente (num deles, por exemplo, nenhum plano pode ter mais de meia dúzia de frames). Exercício lúdico e irónico sobre a relação de forças e cumplicidade entre dois criadores.

21H00 > Grande Auditório
Entrega de Prémios: cerimónia de encerramento

le monde selon Bush
[SE] (sessão de encerramento)
92’. França. 2004, real. William Karel
Quem são os Bush? Nenhum argumento de ficção política poderia imaginar mecanismos tão terríveis por baixo de aparências democráticas, nem inventar os mecanismos de uma intriga tão diabólica cujos protagonista não são personagens de ficção, mas sim aqueles que têm na realidade o destino do mundo nas mãos.

                   
                     
                   
  DIA  3ª FEIRA              
                     
 

18H30 > Grande Auditório
projecção de filmes premiados

21H00 > Grande Auditório
projecção de filmes premiados

[TOPO]

 
+ informações:
Ana Isabel Strindberg Telemóvel: 938 701 687 | anaisabel@doclisboa.org
Marisa Cardoso Telemóvel: 964 591 711| imprensa@doclisboa.org

  doclisboa 2004
II International Documentary Film Festival

Culturgest. Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos. Rua Arco do Cego 1000-300 Lisboa
Phone + 351 21 886 08 00 | Fax +351 21 887 16 39 | Mobile +351 93 870 16 90 | E.mail
doclisboa@doclisboa.org | apordoc@sapo.pt