Manon de Boer

Competição Internacional

Manon de Boer explora a relação entre linguagem, tempo e reivindicações da verdade, para produzir uma série de retratos cinematográficos em que o próprio meio do cinema é continuamente questionado. Tem exposto internacionalmente, por exemplo, na Bienal de Veneza (2007), Bienal de São Paulo (2010), dOCUMENTA (2012), Museu de Arte de Filadélfia e Secessão, em Viena (2016). Os seus filmes também foram mostrados em festivais como o FID Marseille, IFFR Rotterdam e Viennale.