O Doclisboa pretende questionar o presente do cinema, em diálogo com o seu passado e assumindo o cinema como um modo de liberdade. Recusando a categorização da prática fílmica, procuram-se as novas problemáticas presentes na imagem cinematográfica, nas suas múltiplas formas de implicação no contemporâneo. O Doclisboa tenta ser um lugar de imaginação da realidade através de novos modos de percepção, reflexão, novas formas possíveis de acção.
doclisboa
Ao utilizar este website está a concordar com a utilização de cookies de acordo com o nossa política de privacidade.
20–02-18

“Todas as Cartas de Rimbaud” estreia no 6.doc – Doclisboa no Cinema Ideal

Todas as Cartas de Rimbaud, de Edmundo Cordeiro, segundo filme do programa 6.doc – Doclisboa no Cinema Ideal, estreia esta quinta-feira, 22 de Fevereiro, numa sessão com apresentação do realizador. O filme, com a duração de 59’, estará em exibição até dia 28 Fevereiro, todos os dias às 20:00.

 

🔸No dia 26 de Fevereiro, segunda-feira, o filme é seguido de conversa entre Maria Filomena Molder e Cíntia Gil, directora do Doclisboa.

 

🔸No dia 28 de Fevereiro, quarta-feira, o filme será apresentado por Anabela Mota Ribeiro.

 

Primeira sinopse:

Na sua sala de estudo, Maria Filomena Molder retira da estante, junto dos livros de Goethe e das nuvens por este desenhadas, um pequeno caderno de fina capa preta de cartolina envernizada: nele copiou à mão as cartas de Rimbaud.

 

Segunda sinopse:

O querer-limite, a passagem pelo fogo da criação, pela gestação da poesia: «Um dia leiam as cartas de Rimbaud. Não são muitas. Eu copiei as cartas de Rimbaud de Maio de 1871 a Maio de 1873. São poucas, todas as cartas de Rimbaud… E numa dessas cartas ele diz: há alguns idiotas que se tomam por autores.» A última frase é dita com veemência, mas o início da menção a Rimbaud, com a revelação que contém, é feito em tom suave, talvez por estar ligado à memória desse acto de veneração: copiar as cartas de Rimbaud. O sopro de uma voz, a possibilidade de filmar um dom: o canto e a dança do pensamento de Maria Filomena Molder.

 

O 6.doc – Doclisboa no Cinema Ideal é uma parceria que tem o intuito de estrear em circuito comercial filmes que fizeram parte da última edição do festival, contando ainda com os seguintes filmes: No Intenso Agora, de João Moreira Salles (Março), O Canto do Ossobó, de Silas Tiny (Abril), Martírio, de Vincent Carelli (Maio), e Spell Reel, de Filipa César (Junho).

 

⚠ As sessões 6.doc no Cinema Ideal têm bilhete de preço único no valor de 5 euros.

Newsletter

Doclisboa
Casa do Cinema
Rua da Rosa, 277 - 2º
1200-385 Lisboa
+351 914 570 001
+351 913 672 710
doclisboa@doclisboa.org