23-09-2015
Passagens 2015 apresenta “Suite Rivolta” – o feminismo de Carla Lonzi e a arte da revolta

A exposição “Suite Rivolta – o feminismo de Carla Lonzi e a arte da revolta” inaugura dia 15 de Outubro, às 18h30, no Museu da Eletricidade. A exposição, com curadoria de Anna Daneri e Giovanna Zapperi, integra o programa Passagens do Doclisboa ’15.

A exposição Suite Rivolta investiga a possibilidade de repensar o feminismo radical dos anos 1970, num quadro político e artístico contemporâneo. A exposição reúne trabalhos e documentos relacionados com a figura e os escritos de Carla Lonzi (1931-1982), uma crítica de arte e feminista da Itália dos anos 1960 e 1970. As ideias de Lonzi acerca da criatividade, sexualidade e política têm grande eco em algumas das questões mais prementes da arte e do feminismo, na actualidade.

Juntamente com os trabalhos de referência de 1971-1974 de Suzanne Santoro, a exposição apresenta trabalhos recentes que reconsideram o legado de Lonzi pelo seu potencial transformador. Cabello/Carceller, Claire Fontaine, Chiara Fumai, Silvia Giambrone e Valentina Miorandi encaram as suas ideias como um conjunto de operações transformadoras que podem ser reactivadas no presente. Os seus trabalhos inspiram-se nos escritos de Lonzi e exploram questões como a sexualidade e o prazer feminino, a relação entre corpo e linguagem ou o significado político da sua procura por formas autónomas de expressão.

A exposição estará patente até dia 6 de Dezembro.

Sobre as Curadoras

Anna Daneri é co-fundadora e curadora adjunta de Peep-Hole, espaço artístico independente baseado em Milão, e colaboradora da Fondazione Meru. Curadora independente de projectos de exposição internacionais, tais como Food (Genebra, 2012), The Mediterranean Approach (Veneza/Marselha/São Paulo, 2011) ou The Inadequate (Pavilhão Espanhol na 54ª Bienal de Veneza). Colaborou com a Art for the World e a Fondazione Antonio Ratti e foi professora de Fenomenologia da Arte Contemporânea.

Giovanna Zapperi é professora de História e Teoria da Arte, trabalhando na intersecção entre história de arte, estudos visuais e feminismo. Publicou vários artigos, incluindo trabalhos sobre Marcel Duchamp e a masculinidade, Carla Lonzi, feminismo e cultura visual na Itália de Berlusconi e práticas de arquivo na arte contemporânea. A sua tese de doutoramento recebeu o prémio de estudos de género da cidade de Paris e foi pulblicada em livro com o título L’Artiste est une Femme. La Modernité de Marcel Duchamp.

© Imagem: Claire Fontaine, Brickbats, 2015, cortesia da artista e T293